INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

erpmeS

Um fim de tarde e os dois sentados na esguia sombra dum cipreste-do-Mediterrâneo, junto ao caminho no meio das ervas que conduzia à praia isolada, muito procurada pelos nudistas. Estiveram um pouco a namorar e, como começasse a passar muitas pessoas para a praia, não se sentiram tão à-vontade e dedicaram-se a comer a merenda que haviam trazido de casa. Enquanto cortava uma talhada de melão, ela lembrou-se de perguntar:
- Achas que o nosso amor é para sempre?
- Claro, amor, vai durar mais do que esta árvore, tenho a certeza.
Ela sorriu, satisfeita, e com o bico da faca com que cortara o melão, gravou um coração redondinho na casca da árvore, e as iniciais dos nomes deles. Beijaram-se com os rostos colados à árvore, como que para solenizar aquelas palavras. Arrumaram a tralha, e fizeram-se ao caminho, à procura do crepúsculo sobre o mar ou de um lugar qualquer, mesmo sem o mar no horizonte, onde tivessem alguma privacidade. Naquele instante, uma solitária nuvem escura no céu desferiu um raio que cortou em dois o cipreste, reduzindo o tronco a um coto fumegante.
- Amor! Viste aquilo, amor?
O amor dela não prestara atenção, e nem estava por perto - avantajara a passada ao seguir a cadência ritmada do andar de uma morena, vestida apenas com a roupa que Deus lhe dera.

4 comentários:

  1. E, sabes que, um tanto distraída, li 'hermes' no título de seu conto! Depois percebi que havia algo estranho e então li, de fato o que estava intencionalmente expresso.

    ResponderEliminar
  2. Quando coloquei o título, achei que haveria quem fosse ler herpes, mas esse não foi o caso ;)

    ResponderEliminar
  3. Xaran!!Acho que temos 1 vencedora!

    ResponderEliminar

Rainha

                Subiu lesto os parcos degraus que separavam o átrio do hotel do recinto sobrelevado onde haviam instalado a receção. Ab...