Coerência

Com evidência, rezam as estatísticas, morrem mais pessoas na cama do que nas ruas. Afonso Gualdos da Câmara, como homem excêntrico que sempre foi, pareceu querer confirmar e contrariar as estatísticas de uma só vez: morreu debaixo de uma cama, esmagado por ela enquanto descarregava um camião de mudanças estacionado na rua.

1 comentário:

  1. Muito boa! Lembrou-me as histórias de Rui Amaral!

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...