INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Anóni-mato

"Como já te tinha dito, os teus poemas não estão muito maus" - considerou o meu amigo - "Só precisas de reconhecimento, eles e tu precisam de ser lidos, criticados, louvados, vomitados".
- O que é que me aconselhas?
- Põe-te em campo e tenta atingir a Fama. As coisas ficam mais fáceis dessa forma!
Acatei o conselho. Meti o meu original numa mochila, junto com duas caixas de cartuchos e um apito-chamariz, preparei a minha caçadeira e pus-me em campo.
Parei o meu carro na berma de um paúl, e embrenhei-me num labirinto de charcos e canaviais. Devia ter calçado as minhas botas de cano alto porque o chão estava cheio de lama, mas lembrei-me que depois da caçada, a fama me daria com que comprar umas botas novas e até, contratar um engraxador a tempo inteiro. Com a experiência que adquirira na caça aos patos, preparei a caça à Fama. Construí um pequeno abrigo com caniços cortados e colocados em cunha, acocorei-me debaixo deles e soprei no apito-chamariz, com força, uma e uma segunda vez. Mal ouvi um grasnido em resposta, pousei o apito e fiquei à coca. E a ave apareceu, agitando as asas enormes sobre as plumas dos caniços. Disparei um tiro certeiro que atingiu a cabeça, pulverizando quatro dos cento e trinta e oito olhos da criatura, mas foi suficiente, ela rodou no espaço e despenhou-se no meio de um charco. Recarreguei a arma e aproximei-me dela com cuidado. Estava a agonizar, os olhos abriam e fechavam repetidamente, da mesma forma que os lóbulos aguçados das suas inúmeras orelhas se retorciam em espiral. Que coisa mais feia, pensei, nem sei porque é que tanta gente tenta apanhá-la. Antes que se afundasse na lama, retirei-a dali e arrastei-a até ao carro. Enfiei-a na bagageira e levei-a para casa. Ainda pelo caminho, liguei ao meu amigo e, quando lá cheguei, já ele lá estava, com um bigode postiço e um chapéu à Humphrey Bogart. Com algum secretismo, aproximou-se, olhamos os dois em redor, e como não estivesse ninguém, abri a bagageira. Ele abriu a boca de espanto.
- Mataste-a!!
- Não foi o que disseste?
- Não! Disse para a atingires - numa asa, numa pata, em qualquer sítio menos na cabeça. A ideia era teres a ave em cativeiro, mesmo ferida. Durante o sequestro, empanturravas a ave com os teus versos e quando a soltasses, tinhas a vida feita.
- Assim não me serve de nada, pois não?
- Podes experimentar cozinhá-la, mas dizem que a carne é intragável, deve ser por causa da tinta. Ou então enterra-a em qualquer lado e fica resolvido, é isso que fazem á Fama depois dela morrer.
Senti-me frustrado, não me apetecia ir á procura de uma outra ave hedionda como aquela. Chamei o meu amigo quando ele já se afastava.
- Sabes - disse-lhe - acho que vou seguir o teu conselho inicial e tentar integrar um júri literário, e assim pertencer a um circuito fechado de lisonja e recomendação. Engorda-se logo a Fama sem ter de andar a apanhá-la.

3 comentários:

  1. Naõ sei se gosto mais de suas idéias e da forma como as escreve ou se fico apreciando como consegues, de forma tão engraçada, encontrar nomes ótimos para estas etiquetas que inventaram nos blogues!

    ResponderEliminar
  2. As etiquetas são úteis para arrumar a casa. A princípio, funcionava numa escala quantitativa: micros, histórias curtas, contos mais longos ("macarrónicos"); depois vi que isso não fazia muito sentido, e comecei a tentar classificá-los pelo teor ou tom do texto, mesmo usando termos e trocadilhos que outros criaram (como "pormaiores"). É o que dá a gente sermos auto-editores ;)

    ResponderEliminar
  3. maria.c14:55:00

    Ironico e triste. :( Mas não há que desistir.:)

    ResponderEliminar

Amor

O seu amor é feito de vidros que cortam, isso era tudo o que sabia dizer e que poderia até ambicionar dizer-lhe se surtisse a ocasião ou...