Só violas, eram catorze,
tambores e pandeiretas mais de cinquenta, e não havia cordas que chegassem para tantos dedos, nem baquetas, ou superfícies a percurtir.
Mas o silêncio imperava no instante inicial da procissão dos mortos, no lugarejo mexicano de esqueletos nas portas, adornados de flores, cactos e fotos velhas e espinhosas, como no instante anterior à criação do mundo, com o universo suspenso, antes de explodir em luz e música.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...