Dois gumes

Articulista de um jornal de escândalos, agia como um franco-atirador, camuflado e implacável. As suas vítimas nem chegavam a saber o que lhes caíra em cima, um pequeno rumor, a mecha de uma mentira, era o suficiente para os ver soçobrar diante do seu óculo de mira, a esbracejar para tentarem libertar-se do lodo viscoso.
Mas a sua sórdida carreira sofreu um colapso súbito quando um outro franco-atirador, igualmente anónimo e impiedoso, o fez alvo dos seus disparos, fazendo correr no meio, que ele se preocupava com a verdade.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...