INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

diálogo com d mudo

- O primeiro e o último nome, por favor!
Repetiu, o primeiro e o último, achava estranho aquele ênfase no primeiro e no último nome, como se tivesse pelo meio uma comprida corda de varal com nomes pendurados.
- O seu nome não consta da nossa lista, mas isso até pode ter uma explicação muito simples. Ás tantas, o senhor esqueceu-se de fazer a prova de vida no ano passado, e deixou de receber o subsídio por se presumir que estava morto e enterrado.
- Não, eu fiz a prova de vida, tenho a certeza disso!
- Não terá sido no ano anterior a esse, e o senhor estar a confundir?
- Não foi! Tenho a certeza porque, nesse ano, vocês levaram as coisas ao extremo. Nos outros anos, bastava uma declaração da Junta de Freguesia, mas desta vez pediram tantas coisas, que nem sei como a passaram.
- Se calhar o senhor é daqueles que pensam que estar vivo é só respirar, não? Pois fique a saber que concordo com as alterações introduzidas, a prova de vida deve focar ou abranger muitos mais itens, como os valores afectivos e morais, a participação activa na vida da comunidade, ou a sensibilidade para a música ou a poesia.
- Eu respondi a todas, quase todas, as perguntas do questionário, mas como é que podia provar isso? Como é que podia colocar em apenso a demonstração do amor, seja de que tipo for, um ideal político, ou um projecto pessoal?
- Má-vontade, é que o senhor demonstra com a sua atitude. Não vê mais ninguém assim em volta, e todos estão satisfeitos e recebem o seu subsídio a tempo e horas. O senhor tem de ver as coisas num ângulo criativo. A existência que lhe foi dada é uma terra plana, e por cima dela o senhor constrói a sua vida como uma torre, assim com umas arcadas, ou uns varandins, de preferência, também, com algo artístico e agradável à vista como uma cariátide ou um jogo de luz.
- Não respondeu à minha pergunta, como é que faço prova de vida do que não é possível ser provado? Isso é de loucos!
- Aí está o senhor outra vez, moendo e remoendo as suas frustrações. Todos conseguiram o que queriam, menos você. Quando lhe disseram que estava tudo bem com a sua prova de vida, deve ter sido porque receavam alguma reacção colérica, atitude que é muito frequente entre os não-vivos e os pouco-vivos. Acredito até, que o senhor já está na lista das pessoas mortas, até mesmo na lista dos que já receberam um enterro digno e cristão. Diga-me de novo o seu nome, para confirmar essa minha suspeita...
- O primeiro e o último?

1 comentário:

  1. Fantástico, maravilhoso! parabéns. Foi muito prazenteiro estar aqui.

    ResponderEliminar

Rainha

                Subiu lesto os parcos degraus que separavam o átrio do hotel do recinto sobrelevado onde haviam instalado a receção. Ab...