regresso

Obteve ouro e prata em troca de bugigangas e colares de contas, e regressou cheio de riquezas, ansioso por comprar um título e dourar uma genealogia forjada.
No tédio tumular e húmido do seu palácio europeu,
no seu cadeirão diante da lareira, e rodeado de galgos anémicos e filhos enfezados,
foi visitado pela cálida fantasia de uma belíssima feiticeira índia que dança em volta de uma fogueira, vestida apenas com os desprezíveis colares de contas que atirara aos seus pés.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...