Depois de andar muito por muitos lados, atingiu o País da Cocanha. Não adquiriu nenhum halo luminoso na cabeça, não passou a levitar como os ioguis lendários, ou adquiriu o toque de Midas, na verdade, fartura até nem havia muita nesse país, nem leitões assados à discrição, rios de leite ou pães pendurados das árvores; e Cocanha, a Cocanha do nome, só via aquela que obtinha com o dinheiro que ganhava a arrumar carros.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...