Depois de andar muito por muitos lados, atingiu o País da Cocanha. Não adquiriu nenhum halo luminoso na cabeça, não passou a levitar como os ioguis lendários, ou adquiriu o toque de Midas, na verdade, fartura até nem havia muita nesse país, nem leitões assados à discrição, rios de leite ou pães pendurados das árvores; e Cocanha, a Cocanha do nome, só via aquela que obtinha com o dinheiro que ganhava a arrumar carros.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue