INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

prosa quebrada

É tão fácil
acreditar quando olho para
ti, o Sol inunda-te de luz enquanto brincas no relvado, como se
não houvesse mais nada para além de nós, tu nada
sabes sobre o que é ter problemas e sentir-se
nauseado, simplesmente,
por estar vivo e respirar,
sofrer a angústia que nos
gangrena
por termos a noção de que tivemos a vida
nas mãos e a deixamos
malbaratar-se e fugir-nos; não
sabes o que é
ter de estar sempre
a pensar no que tem de se fazer
a seguir
e o que iremos
sacrificar
se nos esquecermos de
alguma coisa, por pequena que seja,
preferia, mandar tudo para o ar,
recuperar do passado a minha fisga
e a bola de futebol, e brincar
contigo
no relvado, correr e rir sem ideias
nem calendários, reavendo essa
majestade
sem cedências nem compromissos que dá
às crianças,
sem que o procurem,
o porte altivo de um rei.

2 comentários:

  1. maria.c15:56:00

    seria bom ser criança, sim. Mas a imaginação pode voar e dar-nos essa ilusão de liberdade.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo09:03:00

    gostei muito desta escrita simples :-)

    joão camilo

    ResponderEliminar

Rainha

                Subiu lesto os parcos degraus que separavam o átrio do hotel do recinto sobrelevado onde haviam instalado a receção. Ab...