Fado

Inspirado por um verso de Ricardo Reis, achou chegada a altura de construir o seu próprio Fado, erguê-lo acima de si como um vértice sob a lua.
Ergueu andaimes, elevou paredes, forçou harmonias.
Quando o seu Fado ruiu, repetiu-se a confusão de Babel na desordem dos seus membros dispersos.


(...)
Como acima dos deuses o Destino
É calmo e inexorável,
Acima de nós-mesmos construamos
Um fado voluntário
Que quando nos oprima nós sejamos
Esse que nos oprime,
E quando entremos pela noite dentro
Por nosso pé entremos
(Ricardo Reis, "Da Nossa Semelhança")

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...