A borboleta de Chuang-Tsé

Trabalhei no turno da noite, mantive-me desperto e activo enquanto os outros dormiam e sonhavam. Quando trocávamos de papéis, assaltou-me a dúvida, razoável, se era eu que procurava o sono, ou se seriam os outros que o tinham iniciado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...