A saga continua

Indiana Jones, reprimindo um achaque de dor ciática, cruza a ponte de cordas sobre o abismo, a beldade loura ao seu lado carrega o ídolo olmeca em jade. Quando pisa terra firme, deita por terra a sua companheira para a proteger das balas que silvam à volta, roda sobre os calcanhares e desembainha o punhal de lâmina larga, mesmo a tempo de deflectir uma bala que se dirigia ao seu peito. Sem demoras, corta as cordas que seguram a ponte, precipitando no abismo a turba ululante que os perseguia.
-Indiana!
- Sim?
- Cortaste a ponte de corda, mas estamos no meio dum rochedo nu, não há aqui nada!
- Não te preocupes, deve estar a chegar o helicóptero do Estúdio, pedi que me trouxessem os remédios para a tensão.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...