Um texto exemplar

Este, de Daniil Harms:

«Era um homem ruivo que não tinha olhos nem orelhas. Também não tinha cabelo, pelo que só convencionalmente se podia chamar ruivo. Não podia falar, porque não tinha boca. Também não tinha nariz. Nem sequer tinha mãos, nem pernas. Não tinha ventre, não tinha costas, não tinha coluna vertebral, nem quaisquer entranhas. Não tinha nada! Por isso não se compreende de quem se trata.
É melhor não falarmos mais nele


2 comentários:

  1. De Daniil Harms li "A Velha e Outras Histórias" um livro fabuloso editado pela Assírio & Alvim...

    Um abraço ;)

    ResponderEliminar
  2. Fabuloso, sem margem para dúvidas, além desse só conheço um outro, uma colectânea publicada pela Hiena. Dois bons livros para se (re)ler.

    Abraço

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...