- Sou um prosador tosco, e manco de palavras, mas os teus versos fazem-me voar!
- Acredito em ti - afiançou ela, com dois dedos fechados sobre o seu calcanhar para reter junto a si o corpo imponderável que baloiçava na brisa.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue