- Sou um prosador tosco, e manco de palavras, mas os teus versos fazem-me voar!
- Acredito em ti - afiançou ela, com dois dedos fechados sobre o seu calcanhar para reter junto a si o corpo imponderável que baloiçava na brisa.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...