"Sou o dono da Verdade" - arrogou-se o triste truão, levantando acima da cabeça uma gaiola de ferro, enquanto os seus pés bailavam.
Mas não havia quem visse nela a Verdade, somente, algumas penas douradas a esvoaçar dentro da rede.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue