"Sou o dono da Verdade" - arrogou-se o triste truão, levantando acima da cabeça uma gaiola de ferro, enquanto os seus pés bailavam.
Mas não havia quem visse nela a Verdade, somente, algumas penas douradas a esvoaçar dentro da rede.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...