Dia aziago

Viu-o logo à entrada, primeiro de viés, e gradualmente, mais em pormenor, e teve um choque, já não o via há muito tempo, estava uma lástima, mais gordo, cabelo grande em desleixo, barba por fazer. Tentou evitá-lo, há encontros que não se desejam, diagonalizou a marcha para lhe escapar mas só conseguiu apressar o inevitável.
"Como vai? - inquiriu por gentileza, e a figura no espelho encolheu os ombros e respondeu, abrindo muito a boca de dentes amarelados: "Vai-se andando, não é?" - "Pois é! - volveu ele - "Quando não se puder andar, empurra-se!". E não precisou mais de gastar o seu latim, porque o outro, para seu profundo alívio, perdeu-se no meio das paredes e recantos do Centro Comercial.
Mal ele sabia, que não iria conseguir livrar-se do fulano.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue