As suas palavras eram dóceis e dadas e saíam de si sem medo das pessoas ou dos sons, mas os seus silêncios não, enrolavam-se em volta das cordas vocais como pequeninas serpentes com a grossura de um cabelo, ou povoavam o seu peito com um novelo ácido e tumultuado. Com o passar dos anos, as palavras já não encontravam caminho para se libertar e mesclaram-se com os seus silêncios; e todos em volta tiveram de aprender a dialogar com o seu mutismo, durante todo o tempo que ela demorou a explodir.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...