Evocação

São três euros e vinte e cinco! - pediu a empregada na esplanada, desenfiando as mãos dos bolsos do avental verde com um gigantesco monograma comercial.
A cliente separou o dinheiro, escolhendo as moedas na palma da sua mão, uma mão diferente de pele branca enrugada, com marcas avermelhadas, vestígio dalguma queimadura antiga.
A empregada procurou ignorar o detalhe, e quanto mais fazia por parecer indiferente, mais se notava que tinha os olhos fixos nele, na mão e na tatuagem de chamas a vermelho e negro que subiam da mão até o ombro em volutas psicadélicas.
A cliente notou a estranheza e o embaraço da jovem.
- A pintura fez-se carne! - explicou com um sorriso.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...