Viveu tantos anos a virar as costas à luz e a pisar a sua própria sombra que, quando precisou dela, a sua sombra tinha-o abandonado.
Morreu nas areias, ao meio-dia.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...