INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página
No meu sonho de Alexandria, encontro livros, muitos livros, em rolo, arrumados em nichos na parede, e eu consigo lê-los, eu, medíocre monoglota, consigo lê-los, e leio na sua forma copiada, mas também na sua forma original, do exacto modo como viajaram no bojo de veleiros e trirremes até ali chegarem,

o meu guia emprestou-me a sua bengala, a bengala com que percorre os jardins suspensos, com ela, todas as línguas e todos os géneros de escrita se tornam compreensíveis, e não só me revelam as suas palavras em toda a vastidão do seus múltiplos significados, como, diante dos meus olhos, o que leio nesses livros se enriquece e se expande, gerando novas narrativas e descrições.

No meu sonho de Alexandria, a alegria de conseguir ler todos esses livros prodigiosos, só tem par na gratidão que sinto pelo guia que me franqueou as suas portas, ele, que me olha sem olhar, e que esboça um sorriso tranquilo quando lhe digo: "Obrigado, Borges!".

Dicionário

                O “seu” dicionário não tinha muitas palavras, e entre estas, havia muitas quase virginais, intocadas, outras devassadas e p...