Mar de Sargaços

Uma sala ampla, com mesas decoradas com búzios envernizados e limos secos, as pessoas andam de um lado para o outro, de polegar ao alto com um triângulo de pano branco atado a ele, como a vela dum navio.
Passam por mim, que estou quieto a querenar, e exclamam:
- Não é a ti que eu procuro!!
Ao que eu respondo, num sussurro de confessionário:
- Não sou eu quem aqui está!

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue