Nos últimos tempos, tenho tido a crescente sensação de estar a repetir os mesmos gestos, rotinas, palavras, situações.

Não deve ser isso, sou antes um backup de alguém que, de repente, se apercebeu de si mesmo.


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...