Na multidão

Presos por linhas finas a um tecido ténue,
abotoamos
no rosto uma expressão afável e é como se nos sentíssemos
em casa


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...