História repetitiva

Uma das mãos de Escher desenhou a outra, que desenhou a primeira, que desenhou a outra, que desenhou a primeira, que desenhou a outra, que desenhou a primeira, que desenhou a outra, que desenhou a primeira...

Isto, até uma das mãos, a primeira ou a outra, deixar de desenhar a outra ou a primeira...

E largar o lápis, para coçar os tomates.


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...