Às vezes sentimo-nos como uma daquelas figuras dos quadros de Dali com gavetas abertas ao longo do corpo...

(Não, não era bem isto que eu queria dizer!)

Às vezes sentimo-nos como uma daquelas figuras dos quadros de Dali com gavetas abertas ao longo do corpo, depois da passagem de uma mulher-a-dias que arrumou as coisas à sua maneira, tirando-nos qualquer possibilidade de encontrar o que quer que seja.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...