Pessoas

Lua de marfim que atrais como um magneto as cristalinas águas fundas de mim, o carinho, o gosto das palavras e dos sons, as notas do riso, o fascínio de versos no fundo de umas pupilas


Vs.

Lua negra de obsidiana que puxas até à superfície o pior das minhas entranhas, o azedume e a tristeza, o ímpeto amoral de se querer mal, a sanha de destruir, o vago encanto da dor e do ódio que se apodera do meu espírito como um corvo que fecha as suas garras num naco de criatura morta

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue