Logo pela manhã se formaram os quatro grupos, tão dedicados quanto confusos, um polícia reformado e um segurança de bar tentavam orientá-los. Deram indicações, nomearam guias e os grupos saíram ordeiramente do largo central, tomando as quatro vias cardeais que aí confluíam. O pai da menina desaparecida veio vê-los partir, seguro pelos ombros pelo vigário, estava ali para encorajá-los e agradecer, mas não foi capaz, as palavras haviam morrido na garganta e nem forças tinha para se manter de pé.
Nos campos, cada um dos grupos dispersou-se em leque. Brandiam paus contra os arbustos, remexendo os locais onde a terra parecia estar fresca, alguns enfiavam-se nas valas e arroios, procurando um indício, por pequeno que fosse. No meio daquelas dezenas de populares, havia um mais enérgico que tomara por sua conta uma faixa de quatro metros entre duas valas com caniços, bradava instruções para um lado e para outro, vergastando com um cajado a mais pequena moita. Ao passar pelo lugar onde o corpo estava enterrado, parou para descansar, e bebeu vinho de um odre enquanto o seu pé direito encrespava ligeiramente o rectângulo de terra lisa e prensada.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue