Balística

Para que a bala tenha um rumo certo e recto, alongaram e aperfeiçoaram os canos e inventaram um sulco em espiral dentro do cano para imprimir um movimento rotativo ao projéctil. Para que, mesmo assim, com toda a tecnologia, a bala não fosse desperdiçada, ele encostou o alvo à boca do cano, tão próximo que ficou (primeiro) com uma marca redonda mesmo no meio da testa.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue