INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página
Num acesso de paixão, saiu à noite da carpintaria com um balde de tinta e uma trincha, e escreveu nas paredes da cidade: "Amo-te Maria". O gesto romântico surtiu efeito na Maria por quem se perdia de amores, começaram a namorar e acabaram por juntar os trapinhos. Poucos anos depois, azedado pelo ciúme, o mesmo artista achou que era tempo de reformar os seus graffitis. Com a tinta do mesmo balde, reescreveu: "CHAmo-te Maria, mas qual é o nome desse espírito santo de um cabrão que te engravidou?"

1 comentário:

  1. :))). Ora aí está! Prova de um tipo preocupado com o ambiente pois claro..., recilou na mesma parede, não foi escrevinhar noutra.:))))

    ResponderEliminar

Rainha

                Subiu lesto os parcos degraus que separavam o átrio do hotel do recinto sobrelevado onde haviam instalado a receção. Ab...