INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

A conspiração do segredo

O túmulo do primeiro imperador da China excedeu tudo o que se pudesse imaginar. No ventre de uma montanha artificial, recriou-se o universo e, no seu centro, a cidade imperial com o seu palácio opulento repleto de tesouros, guardado por soldados de terracota munidos de espadas e lanças autênticas, os artistas e os sábios prodigalizavam maravilhas para agradar ao seu soberano divino, rios de mercúrio que brilhavam na semi-obscuridade, estrelas e constelações sobre as cabeças manufacturadas com ligas metálicas que as faziam fosforescer, e condutas de ar através do monte artificial que traziam a esse microcosmos correntes de ar que agitavam os estandartes, as folhas de bambu e as penas das aves empalhadas. Era um mundo criado para a imortalidade, e tomaram-se providências para que ninguém o perturbasse. Todos os que empregaram a força ou o espírito na construção do mausoléu foram silenciados, aldeias inteiras desapareceram com os seus habitantes passados a fio de espada ou queimados vivos dentro das suas casas. Todos os que viram a cidade dos mortos pereceram com ela, humildes trabalhadores, arquitectos, artesãos, esposas e concubinas. O segredo dos acessos ao tesouro ficou selado. Mas apenas três anos após o enterro do imperador, o seu túmulo gigantesco foi profanado. O exército do general Hiang Yu conseguiu entrar nele sem perder tempo em escavações ou tentativas: entraram directamente pelos acessos cobertos de pedras e terra, superaram as hábeis armadilhas montadas ao longo de quilómetros de corredores empedrados, e os labirintos intrincados, penetrando nas câmaras profundas ao encontro dos tesouros ansiados. Entre os conselheiros de Hiang Yu e constituindo o grosso das suas tropas, havia homens de olhar parado que ocultavam sob o elmo e as malhas da armadura, feridas de sangue seco produzidas pelos gumes e lâminas que lhes haviam enterrado no pescoço e no coração.

A sombra dos dias

               Um galão direto e uma torrada com pouca manteiga  - pediu a empregada no balcão à colega. Podia até ter pedido antes,...