Sshhhhhh!

Mandavam-no calar, sempre que a linguagem adquiria formas inconvenientes ou blasfesmas. Os pais, quando era pequeno, mas também os mestres, os chefes, os vizinhos, a polícia política, o jornaleiro, o pedinte, os irmãos e os filhos...Sshhhhh!...Dedo levantado trespassando os lábios com o seu silêncio. Começou a ganhar medo às palavras como se tem medo do escuro, fugia delas, refundia-as no seu íntimo como a um vento aprisionado. Quando morreu, foi triste e prolongado o seu último suspiro
...Sssssssssssssssshhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!
- tantas eram as palavras que teve de soltar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...