Como tivesse nascido sem braços, sempre que alguém lhe fazia mal, tentava assestar-lhe um pontapé bem dado. Era o seu modo peculiar de tentar fazer justiça pelas próprias mãos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...