INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Burocracia 1 1/2

No hall de entrada do Céu, não existe nada, apenas um espaço em branco no lugar que antes se designava por Limbo - um nada deprimente: uma planura deserta, sem vegetação nem rios. Deserta, mas não de almas, são aos milhões, pré-cristãs, não-católicas, crianças de berço. Fecharam-lhes o acesso ao condomínio fechado dos eleitos, com uma decisão terrena que os ultrapassa. A geografia mudou, as linhas e marcos de fronteira foram alterados, e ninguém sabe como sair dali. Há milhares de candidatos para cada vaga. Os burocratas lá do sítio tentam encontrar uma solução, distribuem impressos, em triplicado, que as almas preenchem para formalizar a candidatura. Os que conseguem admissão vêem os seus nomes afixados em listas que flutuam nos ares, penduradas dos cascos bifurcados dos angélicos mangas-de-alpaca. Os que protestam contra o sistema recebem destes um celestial escarro que dissolve de imediato a sua inscrição, obrigando-os a repetir o processo, com a agravante de penalizações que os fazem descer na classificação oficial. Mas no geral, o processo é bastante pacífico. Há toda uma eternidade para esperar e, por vezes, boas-novas, como os anjos arpoarem uma ou outra alma, levando-os para o Céu por terem sido repescados no rol de admissões.

Dicionário

                O “seu” dicionário não tinha muitas palavras, e entre estas, havia muitas quase virginais, intocadas, outras devassadas e p...