Tinha de ser

A primeira impressão que teve quando entrou no Céu, foi a de ver uma laranja cirurgicamente cortada ao meio, uma metade fresca e solar, a outra calcinada e podre. Assim era o Céu: um Rift ao alto como a espinha dorsal de um dinossauro e, de ambos os lados, dois mundos diferentes anichados em vales profundos a perder de vista. Dum dos lados, o Céu pelo qual tantos esperam, a lembrar uma tela de Henri Rousseau, com vegetação luxuriante, cascatas e aves de plumagem colorida, onde as almas vagueavam alegremente, compondo versos e tocando cítara. No lado oposto, um verdadeiro inferno, uma paisagem lunar e vulcânica de terra despida e rochedos de sílex, onde as almas que podia avistar, pareciam mortalmente aborrecidas, sentadas pelos cantos sob uma noite sem luar.
- O Céu e o Inferno? - perguntou ao querubim que o guiava - eu devo estar destinado ao Céu porque sempre fui um ser humano exemplar...
- É tudo o Céu - respondeu-lhe ele - mas você está destinado á parte mais sombria. A outra, é a área dos não-fumadores.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue