Moral e bons-costumes

Do meu parco e profano conhecimento do comércio de antiguidades, um dos objectos mais curiosos que já tive em mãos foi um conta-passos. Não se trata de um pedómetro dos utilizados pelos ginastas e adeptos do fitness, o que admirei fora construído nos anos trinta, era semelhante a um relógio de bolso e a sua função era precisamente essa: contar os passos. Era usado pelos pais, que o colocavam nas filhas (adolescentes e jovens) quando elas saíam de casa. Permitia-lhes consultar no regresso, as andanças que ela tinha tido, e de algum modo, salvaguardar a sua "virtude". O curioso desse objecto é que a sua função era risível. Se a filha era enviada a casa de uma tia para pedir um pouco de arroz, e se essa casa se situava a cinquenta passos, o que a impedia de entrar numa casa ou embrenhar-se numa caneira para ter um pouco de sexo desenfreado?

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...