(Isilda)

Sempre que surgia
tornava irreal
a geometria dos sólidos

Suspendendo o peso
físico
das coisas

Aprendi como eram irreais os
seus cabelos, a
delícia táctil e quase
mística da sua face

provei dos seus lábios e
renasci,
semente criada para germinar

doce adolescência de sardas

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...