Xaran !!

- Eu não vou! - declarou - não quero saber. Sou um empregado de arquivo, imberbe e desprezível, mas um empregado de arquivo. Quem o tipo pensa que é, para me mandar trocar as lâmpadas fluorescentes fundidas?
- Teu patrão!?
- Não interessa, o tipo entrega-me o cheque de ordenado mas não regula o meu espírito. Estou a estudar História e hei-de escrever uma tese sobre as semelhanças entre este gajo e Calígula.
- Não demores muito e não fales, ou ele come-te as tripas.
Continuou a resmungar, off the record, e foi buscar um braçado de lâmpadas e um escadote alto. Começou a tarefa, muito contrariado - subir o escadote, tirar a armadura, apanhar na cara com uma nuvem de pó e insectos ressequidos, tirar a lâmpada estragada e colocar uma nova. Subia e descia quatro vezes o escadote para mudar uma só lâmpada. Era esforço a mais para um trabalho de férias.
Inadvertidamente, passou por debaixo do escadote e ouviu um gritinho. Uma mulher a uma secretária olhava para ele, estarrecida, os olhos pequeninos e papudos a espreitar por entre os dedos da mão.
- Por favor, não passe por debaixo do escadote. Dá azar, pode acontecer-lhe alguma coisa. Peço-lhe...
Que mulher mais maluca. Sorriu, com uma pontinha de crueldade a coruscar dentro de si. Aquele trabalho tinha acabado de ganhar interesse. Continuou a tarefa, numa sucessão de negaças. Fazia de conta que ia passar por debaixo do escadote, mas parava no momento certo, arrancando uma expressão de terror à mulher. Quando viu que a reacção diminuía de intensidade, passou a vias de facto, saltando sob o escadote com exclamações de entusiasmo. Uma vez, duas, três...Quando se preparava para repetir indefinidamente a provocação, viu com espanto aquela mulher imensa saltar da cadeira e correr para si. Ficou paralisado sob o escadote, ela colidiu com ele, levando-o e ao escadote à frente do seu busto avantajado. O corpo débil do empregado de arquivo foi projectado contra as vidraças, atravessou-as e ficou estendido no chão da varanda no centro de um ninho de estilhaços de vidro.
-Eu avisei-o que lhe podia acontecer alguma coisa!

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue