Macambúzio

Os dias parecem todos iguais, bronze fundente arrefecendo dentro de moldes velhos, vento enredado nas pás do moinho, água benta da Fonte da Virgem, levada até à mão crédula do peregrino de promessas por canos galvanizados e sepultos, evoco, amarroto, a epifania dos meus devaneios de infância, quando escutar um búzio era escutar o mar distante, anunciado ante mim por uma magia mítica, hoje escuto os búzios e os acho uma fraude, como os dias, oferecendo rumores falsos de uma falsa imensidade. Eu podia ser diferente, tudo podia ser diferente, se os dias não fossem todos iguais.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...