Enseada

Não era um caso insólito manter uma ligação com duas mulheres ao mesmo tempo, de uma das vezes foi com duas irmãs, com nomes exdrúxulos, como dizia o poeta. Os ditos nomes, que soavam a acessório de varão de cortinado, eram Alheta e Calheta, nem mais. A não ser pelos nomes, as duas irmãs eram diferentes em tudo, a primeira era a mais fogosa e promíscua, sempre pronta a passar um bom bocado e divertir-se, enquanto a sua irmã Calheta era muito mais complicada, muito orgulho e preconceito, preocupada com o que bem parecia e com pavor de ficar falada.
Namorou as duas na mesma época, mas, mal a Calheta começou a falar em monogamia e em casar com ele de véu e grinalda, desistiu dela e pôs-se na Alheta.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...