Verão

Saiu pela rua, nu, exibindo a sua magreza, o ventre liso, as pernas sem pregas de gordura. Dava-se aos olhares e à inveja sob um Sol de Agosto cáustico e imperdoável. À tardinha, sempre nu e elegante, juntava-se aos outros esfaimados na praça da aldeia, esperando os víveres da ajuda humanitária que seriam lançados de pára-quedas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...