criado(r)

O Grande Ceramista moldou Adão, o homem de barro, com a lama que trazia agarrada aos pés e, completada a obra, insuflou-lhe vida. Criou-o para ser um servo, um títere que o divertisse, um objecto decorativo de carne-e-osso para o seu Jardim. Adão tomou o freio nos dentes e provou dos frutos da árvore da sabedoria, fez terra-chã da ordem imposta e tomou consciência do muito em si que só devia a si próprio, à alvura dos seus passos novos e ao reinventar das coisas e dos fenómenos que advinha de lhes atribuir um nome.
Adão saiu-lhe melhor que a encomenda.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...