Com fundo

Num barco a naufragar, redigiu mentalmente um epitáfio para si mesmo: “Leu muitos livros a pensar que o fariam viver melhor, mas só nos seus últimos momentos é que percebeu que na sua biblioteca, o que faltava, eram livros de cheques, gordos e chorudos, para se gozar”.
Num barco a naufragar, concebeu um segundo epitáfio: “Tenhas o que tiveres nos bolsos e na alma, vais para o fundo à mesma”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...