Jus prima noctis

Vestiu o seu garboso gibão, afivelou a sua espada e saiu ufano no seu alto alazão. Chegou à tardinha à aldeia que ainda celebrava a boda, e foi bater à porta da noiva. Aquela noite era para si, as tenras primícias amorosas daquela jovem acabada de casar pertenciam-lhe por direito e tradição. A espada estava impaciente, o alazão resfolegava, e quando a porta se abriu revelando uma anciã sem dentes e cheia de pudor, fugiu despudoradamente sem sequer cumprimentar a avó da noiva.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...