INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Sistema

Mal a filha nasceu, inscreveu-a no infantário, no Infantário Público da cidade, que estas coisas levam tempo e pensava colocá-la lá à experiência quando perfizesse três anos, estava confiante que até essa idade a chamariam. Um ano depois, nada, foi indagar - havia muitas crianças inscritas, explicaram-lhe, entravam umas trinta por ano e a sua estava na quadragésima quinta posição na lista de espera. Fez o cálculo de cabeça: quando fizesse três anos estava lá dentro, numa honrosa décima quinta posição. Não dava para subir ao pódio, mas chegava para pontuar.
O tempo foi passando e ele inscreveu-a em diversos Infantários privados, não fosse o diabo tecê-las. Finalmente recebeu uma chamada, era apenas para actualizar a inscrição, mas era um sinal de vida. Queriam saber se ambos os pais estavam empregados, confirmou que sim e a funcionária, numa voz melíflua, explicou-lhe que isso era muito bom, óptimo mesmo, porque se um dos pais estivesse desempregado, a candidatura da sua filha cairia por aí abaixo. Não percebeu porquê, mas agradeceu a atenção e congratulou-se indirectamente com a desgraça dos outros.
Completados os três anos, a sua filha não foi chamada.
- Como é? - Perguntou na Secretaria - Qual é a posição da minha filha no ranking do Infantário?
- Está na trigésima posição!
- Como é possível? Há dois anos estava no quadragésima quinta posição!?
- É que os filhos de pais separados têm precedência sobre os outros. Por assim dizer, galgam degraus para o número de eleitos, e tem havido bastantes divórcios no concelho.
Ficou desanimado, ao chegar a casa declarou que, uma vez que não se ia divorciar para meter a filha no Infantário, tinham que desistir dele e procurar outro. Era tudo cunhas, conhecimentos, quem os possuía estava sempre entre os eleitos, fosse qual fosse a ordem de chegada.
Ironicamente, o Infantário não desistiu deles, continuavam em contacto, para actualizar a ficha, para explicar o surgimento de novos itens que explicavam a precedência dada a dezenas de outras crianças. Já muito tempo depois, e para acabar com aquelas cartas e telefonemas, decidiu comunicar ao Infantário que queria anular a inscrição, mas decidiu fazê-lo de uma forma perversa. Dirigiu-se à Secretaria, com um ar muito indignado e perguntou como estava a situação da filha
- Trigésimo segundo na lista de espera.
Com sangue-frio, elevou teatralmente a voz para bradar que aquilo era uma fantochada, uma fraude, que poderia nomear dez ou quinze crianças que haviam entrado no Infantário, de pais casados e inscritos depois da sua filha. A funcionária tentou acalmá-lo, muito constrangida, não, ele tinha uma impressão errada, apenas cumpriam directrizes e orientações vindas de cima, que não era nada pessoal e iam estudar o seu caso com atenção, que o número de divórcios do concelho até tinha baixado, e ela tinha conhecimento dalgumas desistências que poderiam abrir a porta ao seu rebento. Ele não desarmou e deitou mais lenha na fogueira, deixando suspenso no ar a promessa de uma queixa na Justiça.
Quando saiu do Infantário, sabia que tinha deixado a colmeia em polvorosa. Mal chegou a casa, recebeu um telefonema do Infantário. Tinham estado a analisar o seu caso, haviam recuperado literalmente o processo e telefonavam para lhe anunciar que, face a algumas desistências, era dado à sua filha o privilégio de entrar para o Infantário. Agradeceu, mas recusou, tinha o privilégio de lhes comunicar que nem ele nem a filha precisavam do Infantário. Já haviam optado por outro há muitos anos, e a filha tinha acabado de entrar para a Faculdade.

A sombra dos dias

               Um galão direto e uma torrada com pouca manteiga  - pediu a empregada no balcão à colega. Podia até ter pedido antes,...