Opções

Cansado de viver oprimido e humilhado, procurou recuperar a sua dignidade, ergueu-a das pedras da calçada onde estava prostrada - suja e rasgada e fedendo a gosma de pessoas e mijo de cão - e levou-a para casa nos braços como quem transporta um filho doente. No segredo do seu retiro, deu-lhe banho, limpou-lhe o sangue e o pus e coseu os rasgões que a desfiguravam. Quando a achou apresentável, vestiu-a para ver como lhe ficava. Não gostou, não lhe assentava, parecia desigual e esquisita, com foles e abas caídas sobre a pele. Abriu a janela e atirou-a de novo para a rua. Ia deixar que as pessoas a maltratassem um pouco antes de a voltar a experimentar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...