Cruzamento







(...)
Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
(...)

(do "Cântico Negro" de José Régio)
(imagens surripiadas daqui)

(Marketing poético: Vide poemas de Víctor González Solano, na caixa de comentários)

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue