Gavrinis

(Escrever um pouco à toa, como quem arremessa pedras para a superfície quieta de um lago, não me perguntem o que esses círculos significam ou quais as leis da ciência que presidem a essas ondulações caprichosas. Basta-me a libertação interior de arremessar essas pedras para longe e o prazer pueril de corromper a imóvel serenidade em que me sinto ataviado).

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...