vaidade

Não tinha sangue azul, nem títulos herdados ou forjados, pergaminhos de família ou uma ilustre árvore genealógica. Tinha, isso sim, a satisfação algo pedante de se prostituir em horário nobre.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...