traiçoeiro

Estava ali há horas com o seu diário no regaço. Tentava (d)escrever coisas vagas ou importantes, sentimentos, versos, tiradas filosóficas, sensações, coçeira no nariz, qualquer coisa. Não lhe ocorria nada. Exasperada, refundiu o seu diário numa gaveta funda e fechou-a com força. No instante em que o fez, o tempo retomou a sua marcha nos relógios e nos dias.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...