Explicação

No apartamento do quinto esquerdo do prédio, o menino teve uma visão fugaz: um esquilo. Estava na sala grande e viu um esquilo. Os pais e os irmãos mostraram-se incrédulos mas decidiram apurar os factos. Revolveram todas as divisões à procura do esquilo, espiolharam por baixo dos móveis, espreitaram roupeiros e gavetas, e nada de esquilo. O menino insistia, vira um esquilo, como aqueles do parque, e também tinha uma árvore. “Foi uma recordação” - afirmou o pai - “E pára de fazer isso com os olhos!”. O menino obedeceu, rodou para fora as pupilas que enfiara para dentro, e o esquilo evaporou-se.


Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue